Pular para o conteúdo principal

Cuidado com a publicidade infantil na internet

Hoje, no Dia do consumidor, precisamos falar de consumo consciente, principalmente quando de trata das crianças. Por diversas vezes a gente relaxa e deixa os filhos expostos às marcas e a produtos, liberamos os canais de desenho ou do Youtube com vídeos e mais vídeos de produtos. E as crianças ainda não conseguem perceber claramente o conteúdo comercial do educativo (ou de entretenimentos).

Aqui em casa a gente tem algumas políticas para barrar o consumo desenfreado. A primeira delas é: ganhou, doou. Vale para presentes de aniversários, Natal ou press kits que chegam por aqui. Muitos presentes a gente passa adiante, outros separamos para a doação coletiva na escola. E os meninos já são educados a isso, então não é drama desapegar dos brinquedos.

A outra coisa que eu sempre converso com eles é sobre a real necessidade da compra. Já tivemos a fase do “eu quero, eu quero, eu quero”, que foi contornada, sem grandes problemas, com a orientação do real valor do dinheiro. Agora, com Gabriel mais velho, ele tem plena noção de quanto vale o dinheiro para comprar a arminha de água. Se ele quer muito a gente vai, olha, compara e muitas vezes damos um tempo para entender se realmente aquilo é um desejo ou uma necessidade causada pela mídia.

Quando falamos do consumo on-line, que muitas vezes foge dos nossos olhos, é preciso prestar ainda mais atenção, porque ele está inserido nos canais de Youtube, nos jogos e em muitos sites. Até porque a comunicação mercadológica dirigida ao público infantil viola a legislação brasileira, como o Código de Defesa do Consumidor, que considera abusiva e ilegal a publicidade que se aproveita da pouca experiência e do desenvolvimento, ainda em formação, da capacidade de julgamento da criança.

Foi pensando nisso que o projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, listou algumas dicas para ajudar mães, pais e responsáveis a lidar com esses perigos on-line. Eu somei essas informações a algumas dicas do nosso dia a dia e montei esse infográfico para vocês.



PORTAL  R7

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Angélica tatua nome da filha

Depois de fazer mistério sobre sua nova tatuagem, postando uma foto durante a sessão com a legenda: "Ai ai ai!!! O que eu to aprontando?!?!", a apresentadora Angélica mostrou aos seguidores do Instagram o resultado do trabalho do tatuador Joaquim. A loira tatuou o nome da filha caçula, Eva, no pulso.
No outro braço, a apresentadora já tinha tatuado as iniciais dos nomes de seus dois outros filhos, Joaquim e Benício, frutos de seu casamento com Luciano Huck. O marido também foi homenageado com uma tatuagem. Angélica tem tem uma estrela de Davi e a letra L desenhadas em sua nuca.
Joaquim, o filho mais velho do casal de apresentadores, completou 9 anos em março. Benício tem 6 anos e a pequena Eva, homenageada na nova arte corporal da mamãe, tem apenas 1 aninho. Luciano Huck e Angélica estão juntos desde 2003.
Yahoo

Há jeito certo para usar óleo de coco no cabelo sem deixar a raiz cheia de caspa

Ele é considerado o queridinho de todas as blogueiras, milagroso por tantas aplicações e benefícios. Mas você sabia que o óleo de coco pode não ter o mesmo efeito mágico em todas as pessoas e, pior, ele ainda pode causar efeito rebote no cabelo, caso não seja usado adequadamente? Entenda melhor o porquê.
Evite usar óleo de coco no couro cabeludoPara quem se beneficia dos efeitos de hidratação do óleo de coco, a impressão de que ele ajuda a restaurar a saúde da pele e a reduzir a descamação é unânime. Isso na pele do corpo e dos lábios, por exemplo.
PUBLICIDADE No entanto, nos cabelos, o óleo de coco pode ajudar a combater o ressecamento e também provocar mais produção de oleosidade. Principalmente, se você o aplicar diretamente no couro cabeludo e em excesso, ou com muito frequência.

Assim, ao invés de auxiliar na hidratação, se aplicado mais de uma vez por semana ou com exagero no couro cabeludo, o óleo pode gerar aumento da oleosidade da pele, caspa, coceira e até queda de c…