Pular para o conteúdo principal

Por que bocejamos? Desidratação, imitação e doenças estão entre as mais de 20 causas


bocejo porque bocejamos 400x800 0617O corpo humano é cheio de particularidades que passam batido pela maior parte das pessoas. Uma delas é o significado de bocejar. Essa ação é muito mais do que um ato involuntário que surge quando há sono ou cansaço, visto que pode ser fruto de uma imitação natural do nosso cérebro e até mesmo de doenças. Entenda:

O que é o bocejo, afinal?
O psiquiatra Rafael Brandes Lourenço, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e médico do sono pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), explica que bocejo é um reflexo caracterizado pela inspiração de ar pela boca aberta e contração do músculo da audição, seguido por uma intensa expiração.
Causas do bocejo

Ainda não se sabe ao certo qual área do cérebro ou situação o motiva. "O bocejo é estudado há mais de 200 anos e existem várias teorias sobre o que o acarreta", diz o psiquiatra.

Entre as possibilidades está o sono, tédio, cansaço e inclusive um instinto de intimidação ao outro, já que quem boceja revela a dentição. O especialista também explica que a ação pode estar ligada à fome ou ao estresse.



Ainda há quem afirme que bocejar refrigera o cérebro, no entanto, o médico defende que, como especialista do sono, bocejo é um sinal que surge na transição cerebral entre o estado acordado e o sono. "É um sinal do corpo de que nosso metabolismo está desacelerando e que gostaríamos de dormir naquele momento, seja por insônia, uma refeição mais pesada ou um assunto entediante", ressalta.

Bocejo é contagioso?
Quem nunca teve vontade de bocejar após ver um colega fazer o mesmo? O fenômeno é explicado pela ciência: não é que o bocejo seja contagioso, mas ele desencadeia um comportamento de imitação tanto em animais quanto em humanos.

A culpa é dos neurônios-espelhos, um conjunto de estruturas responsáveis pelo aprendizado baseado em outras pessoas, como movimentos das pernas e o próprio bocejo. Inclusive, a simples menção a palavra bocejo pode produzir o reflexo.


É agradável bocejar, mas a ação natural é mais eficaz em aumentar o fluxo de ar do que a imitada.

Bocejar em excesso: sinal de doenças

Bocejar demais pode ser sinal de doenças como apneia do sono, narcolepsia, anemia ou hipotireoidismo, visto que tais estados causam fadiga e sonolência.

Alguns medicamentos causam cansaço excessivo, como certos tipos de antidepressivos e analgésicos, e consequentemente acarretam a reação.


O reflexo ainda pode ser um sinal de síndrome vasovagal, problemas hepáticos, tumor no cérebro, desidratação, ataque cardíaco, epilepsia, AVC, esclerose múltipla, epilepsia e dissecção de aorta.

O que fazer?
O bocejo é um ato normal e inofensivo. Contudo, se ocorrer demais, mesmo após dormir, busque auxílio de um neurologista, que poderá analisar se o que causa bocejo é natural ou fruto de alguma condição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Angélica tatua nome da filha

Depois de fazer mistério sobre sua nova tatuagem, postando uma foto durante a sessão com a legenda: "Ai ai ai!!! O que eu to aprontando?!?!", a apresentadora Angélica mostrou aos seguidores do Instagram o resultado do trabalho do tatuador Joaquim. A loira tatuou o nome da filha caçula, Eva, no pulso.
No outro braço, a apresentadora já tinha tatuado as iniciais dos nomes de seus dois outros filhos, Joaquim e Benício, frutos de seu casamento com Luciano Huck. O marido também foi homenageado com uma tatuagem. Angélica tem tem uma estrela de Davi e a letra L desenhadas em sua nuca.
Joaquim, o filho mais velho do casal de apresentadores, completou 9 anos em março. Benício tem 6 anos e a pequena Eva, homenageada na nova arte corporal da mamãe, tem apenas 1 aninho. Luciano Huck e Angélica estão juntos desde 2003.
Yahoo

Cuidado com a publicidade infantil na internet

Hoje, no Dia do consumidor, precisamos falar de consumo consciente, principalmente quando de trata das crianças. Por diversas vezes a gente relaxa e deixa os filhos expostos às marcas e a produtos, liberamos os canais de desenho ou do Youtube com vídeos e mais vídeos de produtos. E as crianças ainda não conseguem perceber claramente o conteúdo comercial do educativo (ou de entretenimentos).

Aqui em casa a gente tem algumas políticas para barrar o consumo desenfreado. A primeira delas é: ganhou, doou. Vale para presentes de aniversários, Natal ou press kits que chegam por aqui. Muitos presentes a gente passa adiante, outros separamos para a doação coletiva na escola. E os meninos já são educados a isso, então não é drama desapegar dos brinquedos.

A outra coisa que eu sempre converso com eles é sobre a real necessidade da compra. Já tivemos a fase do “eu quero, eu quero, eu quero”, que foi contornada, sem grandes problemas, com a orientação do real valor do dinheiro. Agora, com Gabriel ma…

Há jeito certo para usar óleo de coco no cabelo sem deixar a raiz cheia de caspa

Ele é considerado o queridinho de todas as blogueiras, milagroso por tantas aplicações e benefícios. Mas você sabia que o óleo de coco pode não ter o mesmo efeito mágico em todas as pessoas e, pior, ele ainda pode causar efeito rebote no cabelo, caso não seja usado adequadamente? Entenda melhor o porquê.
Evite usar óleo de coco no couro cabeludoPara quem se beneficia dos efeitos de hidratação do óleo de coco, a impressão de que ele ajuda a restaurar a saúde da pele e a reduzir a descamação é unânime. Isso na pele do corpo e dos lábios, por exemplo.
PUBLICIDADE No entanto, nos cabelos, o óleo de coco pode ajudar a combater o ressecamento e também provocar mais produção de oleosidade. Principalmente, se você o aplicar diretamente no couro cabeludo e em excesso, ou com muito frequência.

Assim, ao invés de auxiliar na hidratação, se aplicado mais de uma vez por semana ou com exagero no couro cabeludo, o óleo pode gerar aumento da oleosidade da pele, caspa, coceira e até queda de c…